sábado, 9 de abril de 2011

Efemeridade

Os dias são diferentes aos que nunca vivi;
As manhãs são como as noites sem luar e as praias vazias de gente;
A Rua sem esquina parece igual a todos os dias;
A temporalidade das coisas parece escassa;
A efemeridade da vida é mais acentuada;
A minha alma está perto do abismo;
(Chegou a hora de entrares em cena)
Cerra-me a boca!
Aperta-me contra o teu peito!
Não me deixes mais.
Vai, não vás. Vai, não vás.
Espera...
 Ouves?

Estas palavras (...) são banais, tão simples de ler que parecem música. No entanto, a forma como as utilizamos fazem das mesmas a mais perfeita melodia, a verdade do real, a pureza do perfeito.
Eu sei que esta noite não estás aqui, sei que não vais estar amanhã e nunca saberei se estarás um dia, não sei mesmo se algum dia estives-te mas ... de uma coisa eu tenho a certeza, eu já desejei uma dessas noites mais do que a vida.
O relógio da sala parou e o despertador tocou -é hora de levantar, mais um dia me espera.
 (Como vez não tive tempo sequer de adormecer) .

Sem comentários:

Enviar um comentário

"Tudo o que escrevo não está escrito em livro algum senão no meu, tudo o que sinto não é sentido por mais pessoa senão a minha. Um obrigado do fundo do coração a todos aqueles que fazem deste sonho uma realidade." Bianca D'Sousa