sexta-feira, 14 de março de 2014

À procura de achar-me

O vazio que sinto é tão grande que tragicamente me preenche. Sinto-me tão ausente de mim própria que é como se os passos não fossem meus, tanto quanto os traços do meu reflexo.
Hoje, ao abrir a janela, senti que o vento era suficientemente forte para destruir-me as lembranças – esses fragmentos distorcidos que compõem o meu passado.
E, cada vez que procuro, no horizonte, um motivo para voltar a acreditar no poder das palavras, deparo-me novamente com aquele vazio que, em certa medida, completa-me.
É como se a minha vida fosse um labirinto sem solução. E, por mais que tente querer voltar a tentar, parece que não há atalhos suficientemente perfeitos para fazerem-me querer sair do labirinto.
Procurarei eu por algo que não existe? Serei assim tão exigente ao ponto de não encontrar o caminho?

Há momentos na vida em que tudo parece perfeito. Mas há outros…

Sem comentários:

Enviar um comentário

"Tudo o que escrevo não está escrito em livro algum senão no meu, tudo o que sinto não é sentido por mais pessoa senão a minha. Um obrigado do fundo do coração a todos aqueles que fazem deste sonho uma realidade." Bianca D'Sousa