sábado, 9 de agosto de 2014

Nos braços do tempo

"Corre!"
Estava a fazê-lo há horas. Já não sentia o oxigênio a percorrer o meu corpo, tanto quanto o sangue.
Correr, correr, correr. Continuava sem perceber o motivo pelo qual estava a fazê-lo, simplesmente sabia que sim, independentemente do motivo, existisse ou não. E eu conseguia senti-la. Aquela vontade incontrolada de querer fugir permanecia. Permanecia camuflada em adrenalina e consumia cada célula, cada átomo do meu corpo. Eu sentia também o medo. Aquele que justificava a velocidade com que eu corria, como quem foge de um passado de terror. E, no fundo, eu estava a fugir de tudo aquilo que não conseguia permitir-me ser.


Agora que corria sem destino, há procura de um entendimento que nunca mais chegava, agora que a vida me pregara esta partida e me empurrara para esta espécie de encruzilhada, agora eu teria de saber como lutar sem forças, há procura de um lugar, de um destino, de um espaço, de qualquer coisa.

Mas de repente parei. Muito antes de cair. Muito a tempo de sentir o abismo, amparada pelos braços quentes de quem chamara o meu nome muito depois de já não o conseguir ouvir. E então eu quis falar. 

Jasper? És tu? Onde estiveste este tempo todo? Não me deixes parada! Olha a luz! Sai, Sai, saiii...

Estas eram perguntas com as quais eu teria que viver até que as forças me permitissem falar. Até lá só queria conseguir respirar, muito antes de mergulhar na claridade. Muito depois de já ser tarde demais para o que quer que pudesse ter sido - dito, sentido ou feito. Se ao menos eu conseguisse dizer-lhe o quanto esperei por ele. O quanto desejei ter desejado nunca tê-lo deixado partido. 

Mas agora era tudo demasiado claro e vago para se ouvir o que quer que fosse. Era só eu, e nem havia braços, nem sinais de Jasper. Estava novamente sozinha. Parada no eterno. Entre o vazio e o vazio. Soubesse eu que o tempo era tão curto, teria corrido um pouco mais.

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

De que são feitos os nossos corpos



Foi assim que aprendi a receber e abraçar a vida. Com os braços bem abertos. Com um sorriso nos lábios. Mas nem sempre isso acontece. Fraquejo, como toda gente. E, por mais que não queira e não faça questão, tenho momentos em que tudo isso se evapora. A determinação cede e dá lugar ao medo, e a todas as incertezas que nunca imaginamos vir a ter, mas que fazem parte de nós, tanto quanto os próprios órgãos. 
Ainda assim, todas as vezes em que fraquejei só fizeram de mim uma pessoa mais forte, porque se assim não o fosse, nunca me teria levantado. Queda após queda, dou por mim a emendar pedaços da minha conduta que até então pareciam corretos, claros e até bem lúcidos. Mas a vida faz-me perceber, tanto quanto o destino, que ambos são meus, ainda assim dependo deles. 

E o que é a vida senão isto? Poderemos, ou seremos capazes de viver eternamente gratos por aquilo que somos? Conseguiremos ser constantemente felizes? Eu já acreditei que sim, mas as circunstâncias da vida têm-me mostrado o contrário. É preciso ser gentil, ser forte e, acima de tudo, sermos nós próprios e aprendermos a amar o que somos. A ambição de sermos aquilo que não somos pode matar-nos. Eu aprendi a domesticar a minha, e apenas querer ser alguém. Alguém que existe muito para além dos vossos olhares, mas que ainda assim depende deles.

O que somos, afinal, senão espelhos de um reflexo manipulado pela nossa própria imaginação? Reflexo esse, que não existe além dos nossos olhos. Espelho esse que se fosse real, já se tinha partido.
O que somos, para onde vamos e o que nos move são factos que determinam o propósito da nossa existência.

sexta-feira, 18 de abril de 2014

A vida moldou-me

Havia de ter sido um dia normal. E, para meu engano, eu desejava tê-lo tido muito antes de pensar que o viria a desejar. A aparente vulgaridade daquele dia rapidamente se transformou na permanência de um futuro incerto, nunca antes ambicionado.
E ainda hoje, passadas algumas centenas de anos, pergunto-me porque teria a vida de escolher-me para tal fado.
É estranho. Porque ninguém sabe o que se encontra para além do "hoje". E por mais que se façam planos, que se tracem caminhos e se sonhem futuros, só a vida nos prepara, aos poucos, para o que realmente somos. 
Até eu, que sonhava mais do que os outros. Até eu que planeava ao minuto a minha vida e guardava-a em gavetas devidamente organizadas. Até eu que lutava pelos meus sonhos... até a mim a vida alterou o rumo da história, aparentemente planeada. 
A vida fez-me reformular todos os sonhos, alterar a cor de todas as gavetas e, principalmente, a vida ensinou-me que o passado não passa daquilo que a própria palavra define - passado. 
Cada vez que olho para trás apercebo-me de como somos todos iguais - frágeis, vulneráveis e sobreviventes.
Porque basta que a vida queira, e tudo o que temos desaparece, como se nunca nos tivera pertencido. 
Hoje é assim que me sinto - uma moldura da própria vida.

sexta-feira, 14 de março de 2014

À procura de achar-me

O vazio que sinto é tão grande que tragicamente me preenche. Sinto-me tão ausente de mim própria que é como se os passos não fossem meus, tanto quanto os traços do meu reflexo.
Hoje, ao abrir a janela, senti que o vento era suficientemente forte para destruir-me as lembranças – esses fragmentos distorcidos que compõem o meu passado.
E, cada vez que procuro, no horizonte, um motivo para voltar a acreditar no poder das palavras, deparo-me novamente com aquele vazio que, em certa medida, completa-me.
É como se a minha vida fosse um labirinto sem solução. E, por mais que tente querer voltar a tentar, parece que não há atalhos suficientemente perfeitos para fazerem-me querer sair do labirinto.
Procurarei eu por algo que não existe? Serei assim tão exigente ao ponto de não encontrar o caminho?

Há momentos na vida em que tudo parece perfeito. Mas há outros…

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Entre o cansaço e a diferença

Ser diferente cansa. Tudo o que é difernte cansa. E eu. Eu sinto-me cansada. Mas, quem nunca se sentiu cansado um dia? 
A saturação da vida parece, agora, mais condensada do que nunca. Os dias parece que possuem 48 horas e as horas multiplicam-se em dobro. Muito mais do que aquilo que pensava suportar. Ainda assim, não penso desistir.
A consciência da realidade torna-me pedinte de uma inconsciência passada - aquela que me fazia crer na perfeição das atitudes, dos momentos, enfim, das coisas no seu sentido lato."A vida é mesmo assim" gritava o conformismo imposto pelos meus iguais, esse conformismo a que me acostumei sem nunca colocar em causa o que quer que fosse, até hoje. Porque haverei eu de descarregar em outrem o meu destino? Ou, por ventura, despojar o "que tiver de ser" nas esperanças do fado?
Não, deixei-me disso. 
Porque, embora esteja cansada de sentir cansaço, sinto que é assim que existo - a querer ficar bem com o que está mal, a acreditar no que ninguém acredita e a viver do que, simplesmente, não existe.
O preço da diferença paga-se caro, e eu tenho descoberto aos poucos quanto ele custa.
Mas, ainda assim (cansada) em momento algum, pensei em desistir.
Não fosse o sonho a minha razão de viver.

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Porque o amor nunca morre

"Querida,
A chuva cai lá fora e o dia parece triste. No entanto, nada comparado com o vazio que me preenche. Sinto a tua falta e, ainda que aparentemente temporária, ela tornou-se eternamente dolorosa. Inicialmente, acreditava que tudo não passaria de um pesadelo e que, por mais penosa e injusta que fosse a tua partida, tu irias voltar. Os dias passaram-se entre lágrimas e sorrisos forçados, contudo, tu continuas longe, num lugar incerto e misterioso. Prometi ser o pirata do teu tesouro, o capitão do teu navio. Mas, e agora? Como farei sem mapa? Sem mar por onde navegar?

As águas onde juntos mergulhávamos secaram e, as folhas do outono já dançam com o vento. O calor tórrido do verão congelou com o frio nas nevadas e o meu coração ardeu e partiu, junto com a tua alma.

Não sei ainda o que vou fazer quando tiver que sair lá fora: o que dizer, o que responder, como agir. Pensei que conseguiria viver sem ti. E, mais uma vez, estive enganado. Encontrei no recanto do meu quarto, aquele que um dia foi nosso, um bom amigo: o teu diário. Pensei que estas coisas fossem apenas para os deprimidos e parece que acertei. Deprimido ou não, a única coisa que consigo fazer, para além de respirar e desejar-te, é escrever.

P.S. Onde quer que tu estejas, com quem quer que caminhes, se ainda me amas, tu vais voltar. "