segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

A chegar ao fim

O Dia está cinzento e chove. (Lá fora e dentro de mim)
Posso ver, através da janela, a chuva que caí, sentir o vento que sopra e cheirar o odor a terra molhada que me corrompe a memória e me faz voltar atrás no tempo:
(-Estava um dia que nem aqueles dias de chuva, mas éramos felizes ... lembras-te?
-Como me poderia esquecer...
-Preferia que te esquecesses do dia, da noite (...) mas que me quisesses como naquele dia .
-Eu ainda quero.
-Porque sabes que vou morrer.)
(O olhar dele caiu sobre o colo e não deu sinal de qualquer esperança)

||Voltando a mim.||
Consigo ouvir o som da cascata bem lá de longe! consegues ouvir?
E a brisa do mar para além das montanha? sentes? Aii como eu sinto tudo isto!
Eu sinto e choro, e esta dor infinita por si só vale a pena.
Sabes porquê?
Enquanto sentir dor é porque ainda te tenho, que não seja só em pensamento.

p.s. Sinto a garganta seca e um montão de gente a rodear-me. A saudade atropelou-me o pensamento e não quer sair de cima! Maldito o pão de cada dia!

Sem comentários:

Enviar um comentário

"Tudo o que escrevo não está escrito em livro algum senão no meu, tudo o que sinto não é sentido por mais pessoa senão a minha. Um obrigado do fundo do coração a todos aqueles que fazem deste sonho uma realidade." Bianca D'Sousa