quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Burguesinha

Sinto-me sufocada por uma multidão de pessoas que não sabe dar valor ao que tem, controlada por um relógio de ponteiros inacabados.
Perco-me nas linhas de uma folha vazia e escrevo as lamurias de uma vida inacabada, incompleta pela ausência de tudo aquilo que nunca consegui alcançar.
Levanto-me num suspiro constante que me leva de volta ao lugar onde deveria estar: rodeada de uma poeira feliz, de uma pobreza humilde e de uma vegetação seca pela angustia de ser nobre. Vejo-me pintada pelo vento que vem do norte- esse vento sublime que se entranha nas narinas e permanece (...) no silencio de um olhar, que não o meu.


A janela fecha-se e eu volto para a folha semi-vazia onde me vejo caída na mesa de estar onde um banquete de burgueses babados me espera(...)

...esta noite eu sou o prato principal de uma noite falsa.

7 comentários:

  1. Sei exatamente como é estar rodeada de falsidade e pessoas que não valorizam o que tem.
    Gostei muito do seu texto, está de parabéns.
    Beijos!

    ResponderEliminar
  2. Muito obrigada minha querida. E força para ti (:

    ResponderEliminar
  3. Mesmo assim, gostei bastante do o ler (: Parabéns!

    ResponderEliminar
  4. Desafio para ti no meu blog.
    Segue-me :D

    ResponderEliminar

"Tudo o que escrevo não está escrito em livro algum senão no meu, tudo o que sinto não é sentido por mais pessoa senão a minha. Um obrigado do fundo do coração a todos aqueles que fazem deste sonho uma realidade." Bianca D'Sousa