terça-feira, 29 de junho de 2010

Quero-te (muito)


Hoje eu amo-te e quero-te com todas as minhas forças e amanhã eu não sei, não sei se vou amar-te como hoje, nem sei se aqui estarei para dize-lo. por isso, fica aqui, hoje, esta carta para que saibas que te amo sim, hoje e sempre.
Caso amanhã não acorde, acredita que te amo hoje e que te amei ontem, como todos os dias em que estive realmente viva.

(amo-te)

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Sou eu !

1. Signo: Balança
2. Data de Nascimento: 15 de Outubro de 1993
3. Cor de olhos: castanho
4. Altura: 1.54 (:
5. Comprometida ou solteira? Quase casada :b
6. Qual é o teu nome do meio? Vanessa
7. Se fosses arrastada para uma guerra, sobreviverias? Duvido.
8. Qual é a cor da tua roupa interior hoje? Branca.
9. Dormes com a TV ligada? Sempre.
10. Consegues escrever rápido no computador? Sim.
11. Quando foi a última vez que escolheste um duche em vez de um banho de imersão? Hoje.
12. Com quem é que tu sabes que podes sempre contar? Com o meu cão 
13. Estás a beber alguma coisa neste momento? Leite .
14. Falas enquanto dormes? A minha irmã diz que sim.
15. Qual é a foto que tens no fundo do ambiente de trabalho? Uma paisagem de mar.
16. Tens o sono profundo? Bastante.
17. As outras pessoas acham-te atraente? Não sei.
18. Sentes saudades de alguém neste momento? Sinto.
19. Quando foi a última vez que disseste a alguém que o amavas e realmente sentias? Ontem á noite.
20. Qual foi o último desporto que praticaste? Judo.
21. Como te sentes hoje? Tristemente feliz.
22. Quem foi a última pessoa com quem partilhaste a cama? Com a minha irmã.
23. Alguma vez foste mordida por alguém? Sim, pelo meu “ex”.melhor amigo.
24. Alguma vez mordeste alguém? Sim, ele mesmo .
25. Qual é a pior coisa no sexo oposto? A falta de feminismo x’)
26. O que está no fundo do teu guarda-roupa? Uma gaveta fazia onde guardo suspiros : )
27. Qual foi a última coisa que tiveste na tua boca? Uma unha*
28. Qual é a tua filosofia de vida? Adormecer,acordar e viver.
29. Com o que é que estás ansiosa? Com o dia 30 de Junho.
30. Alguma vez trepaste para uma janela? Sim, ontem á noite ás 3.45 da manhã.
31. Que três coisas te levam sempre a sítios? O instinto, a curiosidade e o Bruno.
32. Tens uma queda por alguém? Sim, pelo jonhy deep. x’)
33. Quão frequentemente falas ao telefone?. A cada minuto.
34. O que fazes quando ninguém está a ver? Cheiro-me.
35. Há algo que queiras e não possas ter? A imortalidade.
36. Três coisas que reparas de imediato no sexo oposto: cara,mãos e cabelo .
37. Onde está o teu telemóvel? Na minha mão.
38. O que foi a última bebida alcoólica que bebeste? Bacardi limon com redbull (Gil esta é para ti)
39. Qual é a tua cor favorita? Cor-de-rosa.
40. Qual foi o último filme que foste ver ao cinema? O rei da Pérsia.
41. Que música estás a ouvir? Creep-radiorhead.
42. Quem foi a última pessoa com quem falaste? Com o Bruno Bessa.
43. Usas que champô? Garnier-ultra suave.
44. Mais velha, do meio, mais nova ou simplesmente uma criança? Sinto-me uma criança :b
45. Quem admiras? Admiro-me*
46. O que te faz mais feliz? Ver alguém feliz e saber que sou o motivo de felicidade.
47. O que é que odeias? Não odeio nada.
48. O teu homem perfeito? Não existe.
49. Se pudesses mudar uma coisa em ti, o que mudarias? A teimosia.
50. O melhor tipo de festa? Com pipocas :b
51. O que te vês a fazer daqui a 10 anos? A viajar com uma maquina fotográfica ao peito, ao lado do meu namorado.
52. Bebida alcoólica? Não gosto.
53. Shot? Não aprecio.
54. Aftershave/Perfume? Perfume.
55. Filme? Dear john
56. Sítio? Floresta.
57. Número? 23
58. Mês? Junho
59. Gelado? magno
60. Dia do ano? 23 de Junho
61. Flor? proteia
62. Já alguma vez fizeste um papagaio voar? Nunca.
63. Alguma vez comeste um cachorro quente? Já não como á muito tempo.
64. Alguma vez bebeste leite do pacote? Ainda á bocado fui ao frigorífico :b
65. Alguma vez ganhaste um concurso de soletrar? Não.
66. Alguma vez tiveste na casa de banho do sexo oposto? Nunca, mas já entraram pela minha casa de banho a dentro :b
67. Curtiste com alguém em frente a uma multidão animada? Nunca.
68. Já alguma vez amaste alguém de verdade? Já, ainda amo.
69. Alguma vez partiste um osso? Não.
70. Alguma vez cantaste num palco? Já 
71. Alguma vez caíste duma cadeira? Tantas vezes.
72. Alguma vez ficaste com a língua colada a um gelo? Já (:
73. Alguma vez fizeste bumgee jumping? Nao.
74. Alguma vez saltaste de uma rocha? Já.
75. Alguma vez flashaste alguém? Já (:
76. Alguma vez choraste p'ra te safares de sarilhos? Uma única vez, tive um ataque de pânico que me safou.
77. Alguma vez jogaste strip poker? Já sim.
78. Beijaste alguém que não conhecias? Nunca.
79. Estiveste perto de morrer? Ontem á noite*
80. Nadaste no oceano? Uma vez, num sonho*
81. Alguma vez levaste pontos? Fugi a todos.
82. Alguma vez foste hospitalizada? Sim, em 2001.
83. Dia ou noite? Noite, por enquanto.
84. Sol ou chuva? Chuva.
85. Dormes com algum peluche? Sim, com um do meu tamanho.
86. A tua posse que mais prezas? A minha fraqueza.
87. Danças bem? Bem mal.
88. Já alguém, para além da tua família, te disse que te amava? Sim, o meu melhor amigo.
89. Quantos piercings tens? Nenhum.
90. Diz o nome de 5 coisas que estejas a usar: pulseira,camisa,chinelos,calções e anel.
91. Alguma tatuagem? Não.
92. Que tipo de bêbeda és tu? Tonta e comica.
93. Gostas de ti? Amo-me .
94. Beijos, ou abraços? Mil vezes abraços.
95. A última pessoa que abraçaste: Bruno Bessa.
96. A última coisa que compraste: Um pijama da Hello Kitty (:
97. A última pessoa que te mandou uma sms: Bruno Bessa.
98. A última vez que tomaste banho: hoje.
99. És demasiado tímida p'ra convidar alguém p'ra sair? Naaah!
100. O que estás a pensar? Que estou a perder muito tempo com isto.
101. A melhor maneira para que alguém saiba que gostas dela é...? Olha-la a todo o tempo até que ela pergunte “porque’e que estás sempre olhar para mim?”
102. Tu sabes que eu gosto de ti, se...? disseres.
103. Gostas de chocolate? Nem por isso.
104. Quanto dinheiro tens? Neste momentos 3,45 no bolso x’)
105. Onde te queres casar? Na praia.
106. Falas alguma língua para além da materna? Espanhol, inglês (mal) e francês.
107. O que queres ser na vida? Alguém com mérito próprio.
108. Preferias morrer queimada ou afogada? se morresse duas vezes não optaria por nenhuma em especial mas conheço demasiado sobre o ódio para pedir que morresse afogada.
109. Preferes dar, ou receber uma massagem? Dar.
110. Há algum Tiago no teu circulo de amigos? Sim, o Tiago santos, o meu patinho.
111. Beijaste alguém no teu círculo de amigos? Sim.
112. Guardas rancor? Sim, de mim mesma por não saber reagir.
113. Com quantas pessoas do teu círculo de amigos já estiveste bêbeda? Com uma.
114. O que farias se te dessem um desejo? Morreria agora.

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Ás vezes

I
Ás vezes deparamo-nos
Com palavras vazias,
Roupas furadas,
E pessoas famintas
De nada.

É nesses momentos
Que a vida parece o
Que não é,
e é quando
tudo se torna vazio
e de sentido inverso
áquilo que já foi.


II

Não somos nada
Quando pensamos que somos tudo,
Pensamos que pintamos o mundo
Quando na verdade,
É ele quem nos pinta.

E quando a noite cai
E tu chegas ofegante,
o gelo quebra-se na almofada
como pecados de uma vida.

(É por amar demasiado as palavras que me deixo iludir com elas.)

domingo, 13 de junho de 2010

Desconserto da Alma

É morrer no deserto afogado na areia e pintar com palavras numa tela furada o teu nome em suspiros;
É ser ninguém com nome completo e fugir da sombra com o medo no bolso;
É estar na memoria de todos como algo esquecido e viajar de boca em boca num mundo de cegos;
É cair sobre as nuvens num céu incerto e chegar ao céu com as asas queimadas,
Enfim ...

É o desconserto da alma fingida sendo eu mesma em qualquer parte.

sábado, 12 de junho de 2010

Vinte e três de Junho de 2010

(Sozinha)

Nestes últimos dias, pela primeira vez na minha vida, tenho sentido que os passos que dou não são certos e que tudo o que gira á minha volta já não me pertence. Eu, tal como tudo em meu redor, estou deserta, imunda, vazia e … parece que já nem respirar faz sentido.
O sol já nasceu novamente e eu continuo-o com os olhos pregados na fotografia em que ambos sorrimos felizes, nesse tempo em que tudo era perfeito demais para descermos á terra ,onde agora, me acho perdida.
A noite passou tão depressa! Porém, ainda me resta muito para recordar, pois tudo o que vivemos não pode ser relembrado numa noite, nem sei se o resto dos meus dias chegará para fazê-lo, mas enfim…
Reli as páginas deste diário vezes sem conta, a caixa das nossas fotografias está vazia e as fotos estão espalhadas pelo quarto tal como as penas da minha almofada. A consciência de que tudo acab… Não! Não consigo pensar na hipótese de … eu perdi-te? Não vais voltar?
Não quero saber o que vai acontecer de hoje em diante, vou agarrar-me ao passado com todas as minhas forças e vou ficar lá, viver lá… porque lá tu ainda existes.
Vou desenhar o teu nome na areia e vou esperar que o venhas apagar, vou escrever cartas e envia-las com a seguinte morada: “Rua dos anjos 1993, casa das estrelas” e vou esperar que respondas, vou colocar a tua almofada ao meu lado e esperar que te deites, vou sentar-me no banco onde ambos sorrimos e também vou comprar as tuas bolachas preferidas e vou deixa-las em cima da tua mesinha de cabeceira com o copo de leite de todas as manhãs. Ainda tenho o teu cheiro nos meus versos, as tuas palavras na minha pele e a tua imagem permanece intacta em tudo o que existe.
Sei de cor cada paço teu, sei cada significado do teu sorriso, do teu olhar, do teu abraço, até sei a simbologia de cada posição das tuas mãos!
Ficou tanta coisa por explicar, por dizer, por partilhar… acho que ainda te consigo ouvir.
A fotografia caiu ao chão e partiu-se quando soube o que realmente aconteceu, a moldura está desfeita em mil pedacinhos tal como o meu coração, vou reconstruir a moldura tal como a mim mesma, vou agarrar-me a tudo o que me resta de ti e vou escrever um livro com a nossa história. Esta vai ser a primeira página de um livro imenso! Quem disse que as melhores histórias têm necessariamente que começar pelo principio?

P.S “Prologo”


(Gota d’agua)

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Partido

Independentemente da independência que me faz depender tanto de ti, eu ... eu abri a mala e recolhi tudo o que te pertencia, coloquei la dentro e enviei a mala para bem longe de mim. Deixei de pensar em ti, e vou deixar também de gastar o meu tempo com coisas banais, como tu. Eu quero viver, sim, eu quero.

Hoje, quando a Rita veio buscar-me para ir-mos ao cinema, o meu coração ... deixei-o cair pelas escadas e, acho que está mesmo rachado e não sei se falta muito para ... Meu Deus! O meu ... (Pânico) .

Agora percebi o que lhe aconteceu.

(N-ã-o V-o-l-t-e-s.)

terça-feira, 8 de junho de 2010

Lua

Cada carta foi escrita como se fosse a ultima, e em todas as tuas chegava a promessa de um regresso.
Sinto que esperei tempo demais, mas tempo nenhum é demasiado para amar-te, tempo nenhum.
E mesmo não sabendo onde estás agora, sei que a lua que partilhamos é a mesma em qualquer parte do mundo, e que é grandiosa ... como tu.

*repito e repito até que voltes.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Egoísta

Eu dou-te o tempo, dou-te o mundo (...) eu dou-te o que precisares, vai com a promessa de que voltas, mesmo sendo essa promessa temporária.
Eu espero, eu espero 100 anos, eu prefiro morrer a esperar que morrer a ver-te sofrer.
Eu sei, eu tenho noção das coisas que faço, de tudo o que estou a fazer mas ...
Hoje, eu faria tudo igual mesmo sabendo o desfecho, eu não mudaria nada da nossa história, nem mesmo as personagens(...)

eu acredito que um dia vou acordar e ver-te sentado na prateleira do meu quarto, eu não te quero como um objecto, mas quero-te para sempre perto de mim.

Nunca foi minha intenção usar-te nem brincar contigo como eu brincaria se fosses um boneco, eu (...) faço tudo o que está ao meu alcance para mostrar o quanto ...
(se fosses capaz de preencher as reticencias, era tudo bem mais fácil.)

Vulgar

As pessoas olhavam-me de tal forma que me despiam com os olhos, tudo á minha volta estava voltado para mim, até o meu pior inimigo me olhava com serenidade.
Eu era, agora, a deusa do mundo deles. O tempo tinha parado e mesmo que eu me sentisse a caminhar, estava o tempo todo parada, as pessoas eram sempre as mesmas por muito que parecessem outras.

Eu tinha a perfeita noção de que tudo não passava de um sonho, e que quando acordasse estaria novamente sozinha, mas se sonhar era a única forma de me sentir importante, eu iria sonhar para o resto da vida.

domingo, 6 de junho de 2010

Irmão

Eu sei o que estás a sentir neste preciso momento, sei o que te apetece fazer e que só não o fazes porque não sabes
se é o melhor.
A cobardia é tal que sou encapas de pedir que te vás embora, mesmo que isto te cause sofrimento eu sei que te posso
fazer feliz, mesmo que não seja da forma como desejas.
Paço os dias a contar o tempo que estás por perto e ao fim ao cabo tenho-te sempre aqui, num suspiro abafado.
A almofada acorda molhada e o quarto adormece fechado, como se nada existisse a não seres tu.


(não consigo viver sem ti, por isso fica.)

Memória

Não sei dizer ao certo á quanto tempo foi, nem o dia, nem o ano, nem mesmo se já passaram séculos desde então.
Também não me lembro do local nem de como tudo aconteceu.
Sei que havia calma e serenidade, sei também que ao longe se avistava a cidade coberta de neblina. As
pessoas falavam sem se ouvirem e perfuravam o coração uma das outras com os punhais de sentimentos sujos.
Ao fim ao cabo tudo acabara, a cidade ficou deserta e o silencio era perturbador.
Talvez fosse o inicio do fim ou o começo de tudo.

Continuo a perceber que nada sei ao certo, a não ser que lá estaava. Nesse mundo deserto de gente.
Um mundo onde eu não tinha lugar.
Posso dizer que dos 300 anos que vivi, por muito vulgar que tenha sido, foi o que ficou. O fogo, as pessoas que amei até esse dia, as palavras, os momentos (...) tudo foi morrendo aos poucos. Em poucas décadas apercebi-me que estava morta mas vivia.

O sangue que me escorria nas veias desse tempo louco não escorre mais, e a pessoa que fui já não a conheço.
Descobri que ser imortal é impossível desde o momento em que a nossa alma é enterrada junto daqueles que nos pertenciam, nos lembravam, nos amavam ...

Fiquei presa naquele sitio, perdi-me lá.

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Doença

Eu quero-te mas não te suporto, eu espio-te mas fujo quando estás perto, eu respiro o mesmo ar que tu mas eu contenho-me para não o matar, eu peço que voltes mas logo que te tenho a minha única força é aquela que te rejeita mil vezes em mil dias. Todos os dias são iguais aos que já foram enquanto te tive por perto, o vento é o mesmo, a água escorrega, e tudo o que entrou também saiu, como se tudo fosse vicio da própria natureza.
Enquanto existires eu não vou conseguir viver, a minha vida é passada ao lado do meu próprio assassino, da minha doença ...
Mas quando se quer o que faz mal, o melhor é viver da própria doença.
Caso contrario, morreria da cura.
(Ainda que aja algo que me mova, o tempo parou e perdi a máquina do tempo)

Amanhecer

Quando amamos aquele que nos mata ficamos sem opções.
Como se pode fugir, como se pode lutar, se ao fazê-lo magoamos quem mais queremos? Se a tua vida era tudo o que tinhas para dar como podias recusa-la?

**
E (...) se a vida é cíclica e se o que é cíclico não tem fim o que é a vida afinal?

P.S"Certamente morreria sem saber o final desta batalha, mas, se tivesse de escolher, morreria por ela."

(Stephenie Meyer) L'